Entendendo e lidando com as
Disfunções Sexuais Masculinas

A Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID-11) define as disfunções sexuais como um grupo de transtornos que afetam a capacidade do indivíduo de acessar todas as etapas da resposta sexual e/ou de experimentar prazer sexual. Os transtornos sexuais em homens incluem disfunções na fase do desejo, da excitação e do orgasmo. 

As disfunções sexuais masculinas podem ter um impacto negativo significativo na vida dos homens, levando a sentimentos de inadequação, evitação do contato sexual em pares, ansiedade de desempenho sexual, bem como a uma diminuição da percepção de qualidade de vida de modo geral. Além disso, as disfunções sexuais podem afetar os relacionamentos, levando a problemas de comunicação e distanciamento emocional. (FLEURY et al., 2020) Por isto, neste artigo, vamos explorar as disfunções sexuais masculinas, suas causas e como lidar com elas. 


As Diferentes Disfunções Sexuais Masculinas

Segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM) as disfunções sexuais masculinas incluem ejaculação retardada, transtorno erétil, transtorno do desejo sexual masculino hipoativo, ejaculação prematura (precoce), disfunção sexual induzida por substância/medicamento, outra disfunção sexual especificada e disfunção sexual não especificada. Um mesmo indivíduo poderá ter várias disfunções sexuais ao mesmo tempo, então para o melhor entendimento e tratamento, nós, profissionais da saúde mental e sexual, as classificamos em subtipos, são eles:

  1. Em relação ao tempo: se o problema sexual está presente desde as primeiras experiências sexuais ou se desenvolve após um período de função sexual relativamente normal.
  2. Em relação à ocorrência: se os problemas sexuais se limitam a certos tipos de estimulação, situações ou parceiros, ou se ocorrem em todas as experiências sexuais, de forma generalizada.

Além dos subtipos, inúmeros fatores devem ser considerados durante a avaliação de uma disfunção sexual, como fatores relacionados ao parceiro (p. ex., problemas sexuais; estado de saúde); ao relacionamento (p. ex., dificuldade de comunicação; discrepâncias no desejo para atividade sexual); a vulnerabilidade individual (p. ex., pensamentos relacionados a má imagem corporal; história de abuso sexual ou emocional), quadros psiquiátricos (p. ex., depressão, ansiedade) ou estressores (p. ex., perda de emprego, luto); fatores culturais ou religiosos (inibições relacionadas a proibições de atividade sexual ou prazer; atitudes em relação à sexualidade); e outros fatores médicos relevantes.

 

Quais são as causas das disfunções sexuais masculinas?

De modo geral, as disfunções sexuais podem ser causadas e mantidas por diversos fatores, como:

    1. Aspectos psicológicos: tabus sobre a própria sexualidade, baixa autoestima, fobias relacionadas ao ato sexual e não aceitação da própria orientação sexual, entre outros.
    2. Dificuldades nos relacionamentos: brigas, desentendimentos, falta de intimidade e dificuldades de comunicação entre os parceiros.
    3. Questões decorrentes de traumas: devido a violências.
    4. Condição geral de saúde: presença de disfunção sexual decorrente dos efeitos diretos de uma doença, como depressão, ansiedade e doenças crônico-degenerativas graves, diabete, entre outras.
    5. Efeitos diretos de uma substância: medicamentos, álcool, drogas e exposição a toxinas, entre outros.

Como identificar que preciso de ajuda?

A percepção de uma possível disfunção sexual pode variar de pessoa para pessoa, mas existem alguns sinais e sintomas comuns que podem indicar a presença de um problema. Para uma autopercepção, podemos estar atentos a ocorrência recorrente da ejaculação antes do momento desejado, a dificuldade ou incapacidade em atingir o orgasmo, ou ainda, a dificuldade em obter ou manter uma ereção. É importante ressaltar que falhas eventuais são comuns a qualquer pessoa com pênis, mas se essa dificuldade é recorrente, pode ser um sinal de disfunção erétil.

O baixo desejo sexual, a evitação de situações sexuais e estar constantemente preocupado com o seu desempenho sexual ou experimentando ansiedade, ou estresse significativos em relação à atividade sexual, podem ser um sinal de uma disfunção sexual.

Como a psicoterapia sexual atua nestes casos?

A aplicação da terapia cognitiva comportamental na área sexual é uma abordagem terapêutica breve que tem se mostrado eficaz no tratamento de diversas disfunções sexuais. Essa forma de terapia combina técnicas da terapia cognitiva, que se concentram nos pensamentos e crenças, e na mudança de padrões comportamentais na vivência da sexualidade, com intervenções específicas para questões sexuais.

Durante a terapia cognitiva sexual, o terapeuta trabalha em colaboração com o paciente para o tratamento das disfunções sexuais psicogênicas – com causa psicológica- atuando em seu sistema de crenças e na reformulação de seus comportamentos sexuais. O foco das abordagens cognitivas está na reestruturação dos pensamentos acerca da sexualidade,  já que as causas do problema podem estar enraizadas em experiências passadas ou influências culturais que reforçam ideias falsas sobre a sexualidade masculina.  

Já as técnicas comportamentais permitem a eliminação de hábitos sexuais disfuncionais e construção de hábitos sexuais e apropriados a uma relação sexual satisfatória. Em sexologia clínica, após feito o diagnóstico, existem técnicas específicas para o tratamento de cada uma das disfunções aqui mencionadas, por isso, é importante salientar que a terapia sexual, que se concentra especificamente nas questões sexuais, e a terapia de casais, que pode ajudar os parceiros a desenvolver uma maior intimidade emocional e melhorar sua comunicação sexual, são fortes aliadas no tratamento de queixas sexuais e desordens relacionais.

Se você está enfrentando problemas sexuais, não hesite em procurar ajuda. A terapia sexual pode ajudar a tratar questões importantes e melhorar sua qualidade de vida. Lembre-se de que é importante escolher um terapeuta de confiança e que você se sinta à vontade para falar sobre suas dificuldades sexuais. Com a ajuda certa, é possível superar esses desafios e ter uma vida sexual saudável e satisfatória.

 

Referência bibliográfica:
FLEURY; H.; ABDO; C. O efeito da prática mindfulness na satisfação sexual e conjugal. Diagn. tratamento ; 24(4): [170-173], out – dez. 2019
American Psychiatric Association (APA). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

Psicologia, Relacionamento e Sexualidade

Artigos Relacionados

Conheça 9 técnicas da TCC utilizadas para melhorar sua saúde mental
Conheça o poder transformador da Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) enquanto exploramos nove técnicas dinâmicas projetadas para melhorar sua saúde mental. Descubra como esta terapia de curto ...
Mais informação →
Deixe para Trás Comportamentos como Roer as Unhas, Arrancar os Cabelos e Machucar a Pele: Conheça a Terapia de Reversão de Hábitos
Descubra como a Terapia de Reversão de Hábitos pode ajudar a deixar para trás comportamentos como roer as unhas, arrancar os cabelos e machucar a ...
Mais informação →
O que acontece durante a terapia sexual?
A terapia sexual oferece um ambiente seguro e acolhedor para indivíduos e casais abordarem desafios íntimos e alcançarem uma vida sexual mais satisfatória. Neste artigo, ...
Mais informação →

A terapia sexual é uma forma de intervenção psicológica que busca tratar questões e disfunções sexuais através de uma abordagem que considera os aspectos psicológicos, biológicos e sociais que inferem na nossa vivência emocional e relacional, e que podem afetar a saúde sexual de um indivíduo.

A sexualidade humana é um fenômeno complexo que envolve fatores biológicos, psicológicos e socioculturais. Por isso, é comum que algumas pessoas enfrentem dificuldades em sua vida sexual. Seja por questões físicas ou psicológicas, essas disfunções podem afetar a qualidade de vida e o bem-estar emocional do indivíduo. É aí que entra a terapia sexual, para ajudar você!

É uma forma de psicoterapia de casal? 

A terapia sexual pode ser realizada no formato de uma terapia de casal, já que muitas vezes as disfunções sexuais afetam a relação ou individual, em casos onde não há uma parceria fica. 


Durante o processo terapêutico, o terapeuta sexual ajuda o paciente a identificar as causas subjacentes de suas dificuldades sexuais. Isso pode envolver examinar fatores como experiências passadas, crenças limitantes, expectativas irrealistas, traumas ou problemas de relacionamento. O objetivo é desenvolver uma compreensão mais profunda da sexualidade do indivíduo e encontrar maneiras saudáveis de lidar com os desafios específicos que estão enfrentando.A terapia sexual pode ajudar a tratar uma variedade de disfunções sexuais, como:

  • Falha erétil: a incapacidade de manter uma ereção durante a atividade sexual é um problema comum em homens e pode ser causada por fatores físicos ou psicológicos, como ansiedade e depressão;
  • Baixo interesse sexual: também conhecido como desejo sexual hipoativo, é caracterizado pela falta de interesse ou desejo sexual. Pode ser causado por fatores físicos, como desequilíbrios hormonais, ou psicológicos, como estresse e ansiedade;
  • Ejaculação rápida ou tardia: a incapacidade de manejar a ejaculação durante a atividade sexual. Pode ser causada por fatores psicológicos, como ansiedade e estresse, ou por fatores físicos, como desequilíbrios hormonais;
  • Ansiedade sexual: a ansiedade em relação ao desempenho sexual pode levar a problemas como disfunção erétil e ejaculação precoce. Pode ser causada por fatores psicológicos, como estresse e ansiedade generalizada;
  • Ausência de orgasmo: também conhecida como anorgasmia, é a incapacidade de atingir o orgasmo durante a atividade sexual. Pode ser causada por fatores físicos, como desequilíbrios hormonais, ou psicológicos, como ansiedade e depressão.
  • Dor na relação sexual: podendo acontecer por diferentes fatores e embora muitas pessoas acreditem que sentir dor seja normal, ela pode ser um sinal de que algo não está certo.

Além disso, a terapia sexual pode ajudar a melhorar a comunicação sexual entre o casal, construir intimidade emocional e encontrar soluções conjuntas para os problemas sexuais que estão afetando a relação. O objetivo é promover uma sexualidade saudável e gratificante, que contribua para o bem-estar emocional e a qualidade de vida global do indivíduo.

A terapia sexual é uma forma de intervenção psicológica que busca tratar questões e disfunções sexuais através de uma abordagem que considera os aspectos psicológicos, biológicos e sociais que inferem na nossa vivência emocional e relacional, e que podem afetar a saúde sexual de um indivíduo.

A sexualidade humana é um fenômeno complexo que envolve fatores biológicos, psicológicos e socioculturais. Por isso, é comum que algumas pessoas enfrentem dificuldades em sua vida sexual. Seja por questões físicas ou psicológicas, essas disfunções podem afetar a qualidade de vida e o bem-estar emocional do indivíduo. É aí que entra a terapia sexual, para ajudar você!

É uma forma de psicoterapia de casal? 

A terapia sexual pode ser realizada no formato de uma terapia de casal, já que muitas vezes as disfunções sexuais afetam a relação ou individual, em casos onde não há uma parceria fica. 


Durante o processo terapêutico, o terapeuta sexual ajuda o paciente a identificar as causas subjacentes de suas dificuldades sexuais. Isso pode envolver examinar fatores como experiências passadas, crenças limitantes, expectativas irrealistas, traumas ou problemas de relacionamento. O objetivo é desenvolver uma compreensão mais profunda da sexualidade do indivíduo e encontrar maneiras saudáveis de lidar com os desafios específicos que estão enfrentando.A terapia sexual pode ajudar a tratar uma variedade de disfunções sexuais, como:

  • Falha erétil: a incapacidade de manter uma ereção durante a atividade sexual é um problema comum em homens e pode ser causada por fatores físicos ou psicológicos, como ansiedade e depressão;
  • Baixo interesse sexual: também conhecido como desejo sexual hipoativo, é caracterizado pela falta de interesse ou desejo sexual. Pode ser causado por fatores físicos, como desequilíbrios hormonais, ou psicológicos, como estresse e ansiedade;
  • Ejaculação rápida ou tardia: a incapacidade de manejar a ejaculação durante a atividade sexual. Pode ser causada por fatores psicológicos, como ansiedade e estresse, ou por fatores físicos, como desequilíbrios hormonais;
  • Ansiedade sexual: a ansiedade em relação ao desempenho sexual pode levar a problemas como disfunção erétil e ejaculação precoce. Pode ser causada por fatores psicológicos, como estresse e ansiedade generalizada;
  • Ausência de orgasmo: também conhecida como anorgasmia, é a incapacidade de atingir o orgasmo durante a atividade sexual. Pode ser causada por fatores físicos, como desequilíbrios hormonais, ou psicológicos, como ansiedade e depressão.
  • Dor na relação sexual: podendo acontecer por diferentes fatores e embora muitas pessoas acreditem que sentir dor seja normal, ela pode ser um sinal de que algo não está certo.

Além disso, a terapia sexual pode ajudar a melhorar a comunicação sexual entre o casal, construir intimidade emocional e encontrar soluções conjuntas para os problemas sexuais que estão afetando a relação. O objetivo é promover uma sexualidade saudável e gratificante, que contribua para o bem-estar emocional e a qualidade de vida global do indivíduo.